O nosso jornal

Carta aberta das comunidades Jardim Ipiranga e Tropical I e II

SHARE
, / 423 0

UEm Parauapebas, o déficit habitacional já é um fator reconhecido pelas autoridades. Por isso, diversas organizações sociais têm realizado constantes articulações e mobilizações no sentido de garantir conquistas no campo da moradia digna e com acesso às políticas sociais essenciais.
Podemos lembrar a participação ativa de diversas organizações oriundas das comunidades de luta pela moradia, como a Chácara das Nuvens (antiga Amochan), Riacho Doce (conhecido como Usimig), Nova Vida, Sonho do Lar e, ainda, a luta por benefícios e habitação dos servidores públicos municipais protagonizada por Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp/Subsede Parauapebas), Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública do Estado do Pará (Sintesp) e Sindicato do Servidores Públicos Municipais de Parauapebas (Sinseppar), dentre muitas outras organizações que defenderam pioneiramente a política habitacional no município.
Hoje já somos moradores/as de um grande projeto habitacional que constitui três grandes bairros (Jardim Ipiranga, Tropical I e Tropical II), graças à persistência e luta de muitas lideranças e pessoas que acreditaram ser possível melhorar a nossa situação enquanto “sujeitos de direitos”.
Nossa percepção de organização social nos levou a nos reorganizarmos nesta nova estrutura conjuntural e constituímos nossa primeira organização comunitária, no dia 26 de junho de 2013, denominada Central Comunitária do Residencial Jardim Ipiranga e Tropical I e II, atualmente denominada Associação Central dos Moradores dos Bairros Jardim Ipiranga e Tropical I E II, devidamente legalizada e com personalidade jurídica reconhecida através do seu CNPJ 18.648.968/0001-94.
Enquanto organização social e comunitária, temos passado por momentos bons e por outros de muita reflexão e reconstrução, no sentido de avançar nos nossos objetivos-fins. Mesmo diante das diversidades e desafios, temos nos firmado na qualidade de associação civil autônoma, sem fins lucrativos e sem qualquer distinção/discriminação de crença, raça, cor, sexo, preferência partidária ou categoria social, nacionalidade ou profissão.
A organização comunitária foi constituída nos moldes do Código Civil em vigor, e visa, principalmente, a representação comunitária, a garantia dos direitos sociais e a defesa dos direitos humanos, tendo ainda como finalidades e caráter: educacional, social, esportivo e cultural.
Tem a finalidade primordial de congregar e representar os moradores do Residencial (bairro) Jardim Ipiranga, Tropical I e Tropical II, localizados no município de Parauapebas (PA), promovendo a solidariedade social, a defesa dos direitos sociais e a promoção da pessoa humana.
Diante da atual situação dessas comunidades, temos o foco central de fazer uma gestão centrada nas pautas reivindicatórias da nossa gente. Não podemos nos permitir ser uma organização com vista na ação “pão, vinho e circo”.
Temos o desafio de avançar nas pautas comunitárias e na conquista de politicas públicas para os bairros Jardim Ipiranga, Tropical I e Tropical II, assim como para nossa cidade. Não defendemos candidaturas A, B ou C, nem tão pouco somos oposição ou situação em relação ao governo municipal. Nosso compromisso ético-político nos guia rumo às mobilizações sociais necessárias para alcançar conquistas em prol da nossa gente.
Uma das provas da nossa postura foi que recentemente provocamos formalmente o Ministério Público e o governo municipal quanto à situação da educação em nossas comunidades. Já conquistamos o regular funcionamento das escolas Nelson Mandela e Cora Coralina, mas ainda falta avançar quanto ao atendimento das demais reivindicações, visando uma educação pública e de qualidade, em especial quanto à construção, imediata e urgente, das instalações físicas (próprias) das escolas municipais Cora Coralina (Educação Infantil) e Nelson Mandela (Educação de Ensino Fundamental) nos bairros Jardim Ipiranga, Tropical I e Tropical II, tendo em vista a existência de área pública já destinada para construção das mencionadas escolas, com a previsão legal de orçamento público municipal. O referido projeto de construção encontra-se estagnado na Secretaria Municipal de Obras / Coordenadoria de Licitação desde 2013.
Outro ponto emergencial é a situação quanto ao funcionamento da Unidade Básica de Saúde (UBS) e do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) nos referidos bairros, sendo que há mais de oito meses, após diversas manifestações e reivindicações comunitárias, a Prefeitura de Parauapebas alugou (locou) e, possivelmente, estruturou espaços físicos (imóveis) de particulares, sob a alegação de que ofertaria os serviços públicos de saúde e assistência social aos munícipes residentes nos três bairros e adjacências.
Os imóveis locados seriam para funcionamento de uma UBS e de um Cras, o que possibilitaria a prestação de diversos serviços na área de saúde e assistência social, o que não ocorreu. Sobre esta pauta, o governo municipal, o Ministério Público, o Conselho Municipal de Assistência Social e o Conselho Municipal de Saúde também foram formalmente notificados e acionados.
São por esses e outros motivos que conclamamos a sociedade em geral, com especial atenção os moradores dos bairros Jardim Ipiranga, Tropical I, Tropical II e adjacências, a se posicionarem com uma postura firme e fraterna “em estado de alerta”, a fim de marcharmos juntos com um só objetivo.
Por isso, publicamos a pauta de reivindicação dos logradouros em questão, para que a sociedade em geral tome conhecimento e seja solidária e, acima de tudo, para que as autoridades (prefeito, vice-prefeita, secretários/as municipais, vereadores/as, membros do MP e Poder Judiciário) possam agilmente atender às nossas reivindicações e anseios legítimos.
Pauta de reivindicação comunitária
1) Autorização junto à Prefeitura de Parauapebas / Departamento de Arrecadação Municipal (PMP/DAM), visando a liberação de alvará para licença e funcionamento das entidade sem fins lucrativos (associação comunitária, cooperativas, igrejas e outras), assim como discutir alternativa para legalização dos pequenos empreendimentos locais (comércios, lojas, oficinas, salões de beleza e outras), essenciais para a comunidade em geral.
2) Regularização dos lotes existentes nos bairros Jardim Ipiranga, Tropical I e II, conforme legislação correlata à política de habitação e prazos determinados nos termos de cessão, em especial atenção aos muitos lotes vazios/baldios (abandonados).
3) Implantação e funcionamento de Posto de Saúde (Unidade Básica de Saúde) e Cras nos referidos bairros.
4) Mediação do poder público municipal junto ao Governo do Estado do Pará, visando a implantação e funcionamento de posto policial e ronda ostensiva nos três logradouros.
5) Construção, imediata e urgente, das instalações físicas (próprias) das escolas municipais Cora Coralina (Educação Infantil) e Nelson Mandela (Educação de Ensino Fundamental), tendo em vista a existência de área pública já destinada para construção das mencionadas escolas, com a previsão legal de orçamento público municipal, cujo projeto de construção se encontra estagnado na Secretaria Municipal de Obras / Coordenadoria de Licitação desde 2013.
6) Instalação de sinalização vertical e horizontal nas vias públicas dos bairros, além de fixação de placas indicativas em todas as avenidas, travessas e ruas.
7) Fixação de placa indicativa e de referência nas vias de acesso (entrada), com a seguinte frase: “Sejam bem vindos aos bairros Jardim Ipiranga, Tropical I e II”.
8) Viabilização de acesso ao Bairro Jardim Ipiranga pela Estrada Faruk Salmen.
9) Implantação de passarela na Rodovia PA 160, visando evitar acidentes de trânsito envolvendo os pedestres.
10) Regularização e disponibilização de espaço adequado para funcionamento da feira livre dos bairros Jardim Ipiranga, Tropical I e II.
11) Apoio e fomento a projetos comunitários como artesanato, horta comunitária, piscicultura comunitária e oficinas socioeducativas e culturais.
12) Recuperação asfáltica de todas as avenidas, travessas e ruas dos bairros Jardim Ipiranga, Tropical I e II, em especial nas p40090588

size_590_unidade_de_onça_puma_inaugurada_em_maio

20150814122737

DSC_0038

trabalho-escravo-contemporneo-no-brasil-40-638-638x470

UTI aérea

minerio

Polícia Civil (1)

trabalho-escravo-contemporneo-no-brasil-40-638-638x470

UTI aérea

minerio

Polícia Civil (1)roximidades da rotatória de acesso aos respectivos bairros.
13) Implantação de novos pontos de parada de ônibus coletivo, inclusive com definição de nova rota para o transporte coletivo, visando o atendimento da demanda dos moradores, bem como a garantia de fiscalização para o devido cumprimento de rota estabelecida.
14) Afixação de ponto de mototáxi, visando o atendimento da demanda dos três bairros, inclusive com a construção de espaço físico adequado.
15) Acesso de benefício ao “Cheque Moradia”, visando o atendimento da demanda da comunidade.
16) Acesso dos residenciais Jardim Ipiranga, Tropical I e II à assistência técnica nas áreas de arquitetura, urbanismo e engenharia, nos termos da Lei Municipal 4.426/2010.
17) Implantação de sistema de água e esgoto nos três residenciais, e em especial resolver a situação dos esgotos a “céu aberto” e a constante falta de água potável.
18) Construção de uma rotatória na entrada dos bairros Jardim Ipiranga e Tropical I e II.
19) Fornecimento de iluminação pública com a instalação e substituição de iluminarias.
Associação Central dos Moradores dos bairros Jardim Ipiranga e Tropical I e II

(Foto retirada do site www.buritiempreendimentos.com.br).

Leave A Reply

Your email address will not be published.