O nosso jornal

GOSTO OU MANIA? AMIGO OU COLEGA?

SHARE
, / 320 0

Quando o assunto é gosto, não tem argumento! É aceitar e respeitar!
Havia uma doméstica que trabalhava na minha casa. Ela adorava comprar bugigangas daqueles vendedores que passam nas ruas empurrando carrinhos de mão cheios de tralhas. Lembro-me de ela comprando uma cadeira de plástico por 120 reais. Em qualquer loja da cidade uma cadeira da mesma marca e modelo custava entre 40 e 60 reais. Alertei-a de que ela estaria fazendo loucura, afinal, daria 20 reais de entrada e mais cinco parcelas de 20. Ela fez pouco do meu alerta. Disse que pobre só compra alguma coisa se for à prestação. E não adiantaria dizer que economizasse para comprar à vista, pois ela não conseguia guardar dinheiro. Mas nunca atrasara uma prestação sequer! Ela gostava de comprar à prazo…
A mesma doméstica nunca gostou de rock ou MPB. Funk, brega e sertanejo eram seus estilos musicais prediletos. Como fazê-la mudar de opinião? Toda vez que eu estava em casa, colocava centenas de MPB e rock para tocar num volume médio. Foi assim durante os mais de dois anos em que ela trabalhou pra mim. Resultado? Ela passou a odiar mais ainda rock e MPB!
Meu ecletismo musical permite que eu ouça qualquer estilo e até goste de alguns funks, sertanejos, apesar de não conseguir aceitar o batidão do funk ou do tecno melody. Fico arrepiado de aversão às batidas repetitivas e sem fim destes ritmos. Já, meu apuro musical leva-me sempre ao rock, MPB, a um bom samba, bossa nova. Recordo-me quando meus irmãos moravam em Parauapebas. Nos encontros, por mais que deixássemos bem claro nossas opções musicais, sempre apareciam pessoas interrompendo nossas batidas no violão, pedindo em alto e exigente tom: “Toca um brega aí, pô!” Uma vez, na Pousada Carajás, fiz, a pedidos, um Festival de MPB. Contratei o saudoso Genival e o Divino. Mesmo com a clara propaganda, com os dizeres no ingresso: MPB, lá vinham os berros de: “TOCA UM BREGA AÍ! MANDA UM SERTANEJO!!” Para quem conheceu o Genival, sabe que o pau comeu! Ele mandava os caras às favas na mesma hora!
Gosto é igual a amigo. Há quem goste de cerveja gelada, quente; vinho tinto, branco; comida temperada, sem tempero; xuxu, jiló; arroz com feijão; há quem goste de grama ou coma merda; carnívoros e vegetarianos… Assim são os amigos! E, hoje, 20 de julho, é dia do amigo!
A palavra “amigo” foi usada pela primeira vez por D. Diniz, o rei trovador. Quer dizer confidente, querido. Com o tempo, foi ganhando conotações diversas. Perdeu força. Hoje, qualquer um é chamado de amigo, creio porque a pessoa fica com vergonha de dizer “colega”, “conhecido”, “parceiro”… Daí, usamos amigo, mesmo sabendo que é um tremendo “amigo-da-onça”! E quando alguém é amigo, mesmo, não se importa com as tolices. Tenho um amigo que considero irmão. Temos os mesmos gostos, os mesmos modos de pensar. Sempre me considerei o melhor amigo que ele pudesse ter. Um dia, no aniversário dele, ele chamou os melhores amigos para ficarem a seu lado. Eu fiquei de fora!
Mas, quem é amigo entende isto. E continua amigo. Dizem que identificamos os verdadeiros amigos na hora da necessidade. Será? Se você chama um amigo para te ajudar quando mais precisa de ajuda e ele não aparece, não é amigo? Se um amigo fica rico e não frequenta mais os mesmos ambientes que você, que é pobre, ele deixa de ser amigo? Ele que se afastou de você ou você que não pode mais acompanhá-lo? Claro, é mais difícil para o pobre ir ao rico que o contrário. Rico visitar pobre é caridade, pobre visitar rico, é necessidade.
Alguns “amigos” do meu tempo de solteiro dizem que fiquei careta. Que mudei. Mudei mesmo! Sou casado! Amo minha esposa, minha família. Meus sábados divido com meus “amigos” da igreja que participo. Se um dia eu deixar a igreja ou a esposa, tudo muda! Principalmente os “amigos”!!
Tenho uma filha que amo muito, mas não é minha amiga. Conflitos por bens materiais nos afastaram. Mas, (espero que não), se um dia ela depender de um ato meu para ajudá-la num momento de aperto, farei tudo para ajudá-la. É amizade? Não! É paternidade! Claro, uma coisa leva a outra. Parentes, quase sempre, são amigos, aliados! Mas podem ser inimigos também…
Há que se ter muito cuidado ao declarar-se amigo de alguém. Quantas decepções isto traz! Quantos amigos se perdem no tempo, não voltam mais! O amigo de infância ficou para trás. Reencontrá-lo depois de dezenas de anos pode ser prazeroso, mas não espere encontrar a mesma criança amiga de outrora…
A amizade se constrói, tijolo por tijolo. É uma construção infinita. Por mais forte que seja o alicerce, uma ranhura pode derrubar a edificação!
Para quem gosta de cinema, literatura, vejam o caso de Harry Osborn e Peter Parker; de Magneto e Professor Xavier; de Wolverine e Dentes de Sabre; Gandalf e Suruman, Lex Luthor e Clark Kent… Continuaram amigos na inimizade!
Como disse Oswaldo Montenegro: “Faça uma lista dos grandes amigos/quem você mais via dez anos atrás/quantos você ainda vê todo dia/quantos você já não encontra mais…”
Há quem faça amigos pelos gostos. Se gosta de rock, é meu amigo; se bebe, é meu amigo; se é político… deixa pra lá!
Pois é, amigo e …, cada qual tem um… Acho que me confundi: “gosto e amigo, cada qual tem um!” Rsrsrsrsr…
E você? Quantos amigos você tem hoje? Quantos você achava que tinha antes?
De qualquer forma, feliz dia do amigo!

Leave A Reply

Your email address will not be published.