Máfia das próteses: médicos são presos no DF na 5ª fase da operação

Segundo a investigação, alvos superfaturavam preço e realizavam cirurgia sem necessidade. Polícia também cumpre mandados de busca e apreensão em São Paulo.

0
344
Seringas apreendidas na 5ª fase da operação 'Mr. Hyde', que investiga esquema de próteses no DF — Foto PCDFDivulgação

Seis pessoas foram presas temporariamente, na manhã desta sexta-feira (3), durante a 5ª fase de uma operação da Polícia Civil no Distrito Federal. Os agentes cumpriram mandados de prisão contra três médicos e três funcionários de uma empresa de equipamentos cirúrgicos. O grupo é suspeito de participar do esquema que ficou conhecido como “máfia das próteses“.

Segundo a investigação, o grupo superfaturava o preço de órteses e próteses pelo plano de saúde, usava produtos de baixa qualidade e até realizava cirurgias sem necessidade. As próteses servem para substituir parcial ou totalmente um membro, órgão ou tecido, enquanto as órteses auxiliam nas funções de uma dessas partes do corpo.

A operação deve ainda cumprir 15 mandados de busca e apreensão até o fim do dia. Três deles já ocorreram na cidade de São Paulo, onde um funcionário da empresa investigada foi preso.

No DF, os médicos suspeitos são donos de clínicas particulares em Sobradinho. Além disso, a polícia investiga se dois funcionários – chamados de “testa de ferro” – teriam sido usados como “laranjas” e emprestado o nome para abrir empresas de equipamentos cirúrgicos.

                                              Máfia das próteses

Polícia Civil realiza a 5ª fase da máfia das próteses — Foto Mara PuljizTV Globo

A investigação busca desarticular organizações criminosas integradas por médicos, hospitais e empresas fornecedoras de materiais cirúrgicos, segundo a Polícia Civil.

De acordo com a polícia e o Ministério Público, o esquema investigado na operação movimentou mais de R$ 30 milhões nos últimos anos. As investigações apontam que “centenas de pacientes” tenham sido lesados pelo esquema.

Material apreendido pela Polícia Civil do DF na 5ª fase da operação que investiga esquema que ficou conhecido como ‘máfia das próteses’ — Foto PCDFDivulgação

Pelas informações do inquérito, a atuação envolvia cirurgias desnecessárias, superfaturamento de equipamentos, troca fraudulenta de próteses e uso de material vencido em pacientes é “milionário”. As pessoas e empresas citadas negam irregularidade.

Existem casos de cirurgias sabotadas para que o paciente fosse continuamente operado, gerando lucro para o esquema, dizem os investigadores.

Ainda segundo a polícia, uma testemunha que tentou denunciar o esquema sofreu tentativa de homicídio. “Deixaram um fio-guia de 53 cm na jugular de uma paciente para matá-la.”

g1.globo.com

Deixe um comentário