Mesmo sem casos de Febre amarela Semsa recebe doses da vacina

0
1997

Com uma população beirando 290 mil habitantes, conforme dados da Vigilância Sanitária, Parauapebas é uma das cidades que mais cresce no Brasil. 

IMG_9759

O fluxo migratório é intenso, e mesmo o município estando fora da zona de risco da febre amarela a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) recebeu nesta quarta-feira, 2, a segunda remessa da vacina contra a doença: 400 doses.

Até agora a Semsa não registrou casos de febre amarela no município, ainda assim a população não para de procurar os postos de saúde com receio de contrair a doença diante do aumento do número de casos no Brasil, considerado o pior surto de febre amarela silvestre, na história do País: até o dia 1º deste mês, 857 casos haviam sido notificados, com 52 mortes confirmadas, das quais 47 em Minas Gerais, três em São Paulo e duas no Espírito Santo.

Em Parauapebas, em menos de um mês duas mil pessoas já foram imunizadas. Como o município está na Área Com Recomendação de Vacina (ACRV) do Ministério da Saúde, a coordenadora de Imunização da Semsa, Danielli Maia, convida a população a procurar o hospital municipal e as unidades básicas de saúde para se vacinar.

A recomendação é do Ministério da Saúde, uma vez que Parauapebas é ladeada de morros, montanhas, rios, igarapés e ainda pela Floresta Nacional de Carajás (Flonac). Quem tomou apenas uma dose da vacina, precisa tomar a segunda dose.

“Assim que surgiram os casos de mortes de pessoas em alguns Estados do Brasil, vítimas dessa doença, a demanda de pessoas em busca de se imunizar contra a febre amarela foi grande em Parauapebas, superando as nossas expectativas. Por esse motivo, que se fez necessária solicitação de uma segunda remessa da vacina, que já está à disposição de todos”, informa Danielli Maia.

Aos 48 anos de idade, Maria de Fátima Melo, que mora perto do rio Parauapebas, no bairro Riacho Doce, fala que tem muito medo de contrair febre amarela, e quando ela e o marido ficaram sabendo pelos veículos de comunicação sobre a gravidade da doença correram para o hospital municipal, para se vacinar.

Danielli Maia descarta a possibilidade de o surto da doença chegar ao Pará, mas ela lembra aquela velha dica de que a prevenção ainda continua sendo o melhor remédio. Pessoas que não têm mais a carteirinha de vacinação estão tomando a vacina assim mesmo.

Algumas unidades básicas de saúde, como a do bairro da Paz e da Cidade Nova, já estão sem vacinas. A terceira remessa está prevista para chegar a Parauapebas até o dia 10 deste mês. Tudo depende da Secretaria de Saúde de Marabá, que já está viabilizando a remessa.

Texto: Antônio Marcos – Ascom/PMP

 

Deixe uma resposta