Festival Jeca Tatu é sucesso absoluto e avança como atrativo turístico cultural

Um espetáculo de cores, dança e criatividade, assim foi a décima sétima edição do Festival Jeca tatu, que encerrou neste domingo (30) em grande estilo. As quadrilhas juninas abrilhantaram o evento com apresentações fantásticas, figurinos impecáveis e coreografias animadas.  

A quadrilha junina Rabo de Palha arrancou aplausos e deixou o público eufórico na última noite de competições do Jeca Tatu. Com o tema “A história do circo”, a agremiação junina construiu uma apresentação fantástica que contou a sua trajetória de 20 anos de história, e o resultado não poderia ser outro: campeã da categoria Caipiria, a mais concorrida do festival.

De acordo com Cleildo de Souza, líder da Rabo de Palha, o grupo ensaiou intensivamente para conquistar o resultado, “é o amor pelas festividades juninas que motiva o nosso grupo. Somos um grande família”, acrescentou, informando que 100 dançarinos participaram da coreografia.

O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (1º), em uma grande festa, no Centro de Desenvolvimento Cultural (CDC). Além da categoria caipira, a décima sétima edição do Jeca Tatu teve competições de quadrilhas de salão e estilizada, nesta primeira categoria a campeã foi a Explosão de Cheiro, e na segunda a Império de São João.

                              XVII edição do Festival Jeca Tatu

O Festival Jeca Tatu já é tradição e se consolida como atrativo turístico cultural de Parauapebas e região. Vando Rodrigues, um dos seis jurados que avaliaram as apresentações das quadrilhas, veio do Ceará e destacou a qualidade do festival, “é a minha primeira vez aqui e me surpreendeu ver que, no sudeste do Pará, tem uma estrutura tão grandiosa de festival junino”.

Neste ano, foram cinco noites de programação, realizada entre os dias 26 e 30 de junho, com apresentações de 27 agremiações juninas na arena do Jeca Tatu, e artistas da terra no palco principal. Com o tema “Ao som da sanfona da nossa gente”, o festival homenageou quatro sanfoneiros de Parauapebas: Zequinha do Acordeom, Manelim do Acordeon, Juquinha do Acordeon e Zequinha do Acordeon.

“A gente encerrou com grande estilo esse festival, que é o maior da região, e vem se firmando como um atrativo turístico cultural de Parauapebas. Acredito que nos próximos anos o Jeca Tatu será um roteiro preferencial de turistas de todo o Brasil que virão para curtir o nosso festival”, destacou Saulo Ramos, secretário de Cultura.

                                 Estrutura e resultados comerciais

A prefeitura disponibilizou uma estrutura de primeira para o festival, composta por palco, iluminação, sonorização, túnel para a entrada das quadrilhas na arena, arquibancada para cinco mil pessoas e 40 barracas padronizadas para comercialização de comidas e bebidas. A praça de alimentação do Jeca ficou lotada nas cinco noites.

Os organizadores do evento estimam que um público médio de 15 mil pessoas por noite compareceu ao evento. Dona Aninha, que vende tacaca e outras comidas típicas, disse que faturou bem, “eu vendo comida no Jeca Tatu há cinco anos, estou muito feliz com os resultados deste ano. Vendi tudo o que trouxe”.

 

Texto: Karine Gomes

Fotos: Felipe Borges, Lucas Dias e José Piedade

Assessoria de Comunicação – Ascom/PMP

Deixe um comentário