Pará já acumula em 2020 maiores números relacionados a apreensões de drogas no Estado

Apreensões batem recordes no Pará: já são mais de cinco toneladas de cocaína e uma tonelada de maconha apenas este ano (Ascom - Segup)

Apenas nos primeiros cinco meses de 2020, o Pará já registrou as maiores quantidades apreendidas de cocaína de toda a história do combate ao tráfico de drogas feitos pela Polícia Civil e Polícia Militar no Estado. Até agora, foram apreendidos mais de cinco toneladas de cocaína e uma tonelada de maconha pelos órgãos de segurança, confirmou esta quinta-feira (25) uma nota da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup).

O balanço da Segup foi feito um dia depois da operação realizada em Ananindeua, com participação de forças estaduais, municipais e também da Força Nacional, para o combate ao tráfico de drogas no município.

Ontem a Segup disse que as ações com apoio do efetivo federal, formado por 71 homens e mulheres que estão no Pará desde agosto do ano passado, 41 deles baseados apenas em Ananindeua, para ações na Grande Belém, reduziram em 150% os índices de crimes no muncípio.

Ananindeua também deixou a lista das 20 cidades brasileiras mais violentas, disse a Segup. A Força Nacional ficará no Pará por mais 180 dias, conforme anunciou a secretaria de segurança pública do Pará e confirmou publicação feita ontem no Diário Oficial da União.

A operação, já havia anunciado a Segup, integra a 22ª Semana Nacional de Políticas Sobre Drogas do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que é realziada em parceria com o Ministério da Cidadania e Estados. Aberta nesta segunda-feira (22),  a semana tem o tema “Unidos pela Vida’’.

Abordagens impactam números, diz Segup

Segundo avalia o titular da Segup, Ualame Machado, as abordagens ostensivas têm sido decisivas no combate a esse tipo de crime, que envolve de pequenas a grandes organizações criminosas. “O sistema de segurança está diariamente combatendo o tráfico de drogas, seja grandes ou em pequenas apreensões, através do traficante local, de bairro ou de uma rua, com informações que chegam até a nós, por meio de investigação ou de denúncia, com a colaboração da sociedade’’, diz Machado.

O secretário ressalta: “Em especial, nós estamos dando um enfoque específico e prioritário contra as grandes organizações, aquelas que realmente alimentam o tráfico de drogas no Brasil e até em grande parte no mundo. Nós tivemos a maior apreensão de maconha da história do Pará, agora em 2020, assim como as duas maiores apreensões de cocaína da história do Estado feitas tanto pela Polícia Civil quanto pela Polícia Militar”.

Maior apreensão foi em maio

A última grande captura ocorreu em maio de 2020. A Polícia Militar apreendeu mais de duas toneladas e meia de cocaína. Um total de 2.621 quilos da droga foram encontrados na área rural do município de Barcarena, Baixo-Tocantins. A cocaína foi encontrada dentro de uma casa, por equipes do 14º Batalhão. A cocaína estava distribuída em 2.333 tabletes, segundo análise do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPCRC). Essa foi a maior apreensão de cocaína já feita no Pará.

Em fevereiro de 2020, o 6° Batalhão da Polícia Militar apreendeu uma tonelada de maconha dentro de uma carreta, no município de Ananindeua, Região Metropolitana de Belém. Essa foi a maior apreensão de maconha da história do Pará. Dentro do veículo, foram encontrados 921 tabletes de maconha. Toda a ação ocorreu após a verificação de uma denúncia anônima.

O trabalho feito por agentes da Superintendência da Região Metropolitana da Polícia Civil culminou na operação “Narcos II”, também em fevereiro, que registrou a apreensão de mais de duas toneladas e 300 quilos de cocaína, em um sítio em Mosqueiro, distrito de Belém. A operação durou dois dias e teve a colaboração da Guarda Municipal de Belém.

Bases fluviais reforçarão combate ao tráfico 

Segundo diz a Segup, o trabalho contra o tráfico de drogas será ainda maior com a construção de bases fluviais que devem impedir a circulação de drogas pelos rios, uma das maiores portas de entrada em razão das peculiaridades geográficas do Pará.

Até o final desde ano, segundo a secretaria, serão instaladas as bases fluviais de Candirú e Antônio Lemos. “Além do combate diário nós temos alguns projetos que irão intensificar a repressão contra o crime organizado, entre eles, a construção, ainda para este ano, de duas bases fluviais, uma em Óbidos, que seria a base Candirú, no estreito do rio Amazonas, que é um grande corredor de drogas”, diz Ualame Machado.

A segunda base será no estreito de Breves, no Marajó, próximo à vila de Antônio Lemos, que funcionará como base fluvial integrada de policiamento e fiscalização para coibir todo tipo de criminalidade.

Ualame Machado diz ainda que a Segup está adquirindo lanchas blindadas para abordagens  de grupos criminosos que muitas vezes utilizam embarcações rápidas “e têm a audácia de tentar atingir o Sistema de Segurança através de seus servidores. Então nós iremos dar o suporte necessário para que possamos combater o tráfico de drogas não só em terra, mas também nos rios da região amazônica” (com informações da Agência Pará).

Fonte: www.oliberal.com

Deixe um comentário