Roda viva – edição 1293

0
390

Parauapebas foi citada novamente em programa de alcance nacional *** Desta vez o jornalista Alexandre Garcia anuncia que a empresa que pagou um jatinho para o ex-presidente Lula ir à Cuba e à República Dominicana não foi a Odebrech *** Mas sim a empresa de um eletricista daqui de Parauapebas, com a identificação de AG Construtora, que segundo o jornalista tem um capital de R$ 300 mil, enquanto que o taxi aéreo para o ex-presidente ficou em torno de 600 *** A notícia do patrocínio desse eletricista proprietário da empresa, foi gravada pela equipe da Liderança FM e divulgada durante o programa do locutor Demerval Moreno, que repetiu a gravação do comentarista global Alexandre Garcia *** A defesa de Josineto Feitosa entrou com novo pedido de Habeas Corpus solicitando a soltura do vereador, preso durante a segunda etapa da Operação Filisteus, do Ministério Público, em Parauapebas *** Em síntese, a defesa pedia a extensão dos benefícios concedidos aos vereadores Odilon e Arenes, ao empresário Edmar Boi de Ouro e ao funcionário público Herberth Matias *** A Desembargadora Vânia Lúcia Silveira, relatora do processo, negou liminar *** O ex-presidente da Câmara municipal de Parauapebas, acusado de desviar recursos durante sua gestão continuará preso até que o pedido de HC vá para o pleno das Câmaras Criminais Reunidas *** Examinando atentamente os autos, não vislumbro presentes os requisitos indispensáveis à concessão da liminar requerida, quais sejam, o fumus boni juris e o periculum in mora, razão pela qual, a indefiro. Solicitem-se informações detalhadas à autoridade apontada como coatora, com o envio de documentos que entender necessários para efeito de melhores esclarecimentos neste habeas corpus, nos termos da Resolução nº 004/2003 – GP *** A fábrica de alumínio Albras, a refinaria de alumina Hydro Alunorte, e a mina de bauxita de Hydro Paragominas estão cobertas por este acordo. Segundo a nota, a Hydro publicará, em breve, detalhes sobre as novas regras de ICMS no website da companhia *** A indústria paraense de alumínio tem diferimento do ICMS nas compras feitas dentro do Estado, que expiraram no dia 17 *** As empresas da Hydro passaram a recolher ICMS sobre a aquisição de diesel e, desde 1o de fevereiro de 2014, também passaram a pagar esse tributo sobre a compra de óleo combustível, uma vez que o Pará passou a entender que o fato gerador está nas refinarias e não nos distribuidores locais do produto. Com isso, a Hydro passou a recolher mais R$ 250 milhões por ano aos cofres do Estado *** O prazo para os estudantes já inscritos no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) renovarem o financiamento semestral terminou ontem, segunda-feira (20) *** O aditamento dos contratos é feito pelos alunos no site do programa *** Os estudantes que já possuem contrato do Fies também poderão pedir a transferência integral do curso ou da instituição de ensino e para solicitar a dilatação do prazo de uso do financiamento – referente ao primeiro semestre de 2015 *** O mesmo prazo foi dado para quem quer pedir o aditamento da suspensão temporária do financiamento referente ao segundo semestre de 2013 e aos primeiro e segundo semestres de 2014 *** Com o objetivo de ampliar ainda mais os conhecimentos dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) sobre os serviços de saúde bucal, principalmente sobre o atendimento domiciliar oferecido pela rede pública no município, foi organizado o 1º Encontro dos Profissionais de Saúde Bucal e ACS’s *** O evento, realizado na quarta-feira (8), foi promovido pela coordenação de saúde bucal, vinculada ao departamento da Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). Durante a programação, os profissionais tiveram a oportunidade de compartilhar experiências exitosas e de compreender melhor o fluxo de trabalho. *** Segundo o último levantamento do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) o desmatamento da Amazônia aumentou mais de 200%, em 2014. No Pará, as áreas desmatadas correspondem a 25% desse total e o principal influenciador nessa estatística é a grilagem, que é a invasão de terras públicas. Além das ações de instituições governamentais, entidades de classe e ONGs, o setor industrial tem sido fundamental para a mudança desse cenário.

Deixe uma resposta