Semurb vai punir estabelecimento que usar via e passeio público indevidamente

0
347

Controlar e evitar o uso indevido de espaço público em Parauapebas é uma verdadeira batalha. Essa prática contumaz funciona desde os primórdios do município. Contudo, André Rosa Aguiar revelou à reportagem que já vem tomando atitudes em relação a esse tipo de crime. Ele ressaltou que após uma grande campanha educativa, vários estabelecimentos já foram alertados, multados e fechados por alguns dias. “Porém, a infração é contínua e requer medidas mais drásticas, que já serão tomadas”.
O que mais se vê são caminhões sendo descarregados por horas em vias pública e durante o dia. Lixo e resíduo de supermercados, açougues e lojas jogados nos passeios públicos e calçadas, atrapalhando e prejudicando o tráfego de pedestres e veículos. Como é o caso também de lixões a céu aberto que são usados pela população.
lixo
O gestor esclarece que os casos mais caóticos são, de fato, os supermercados, pois ao cair da tarde as calçadas ficam lotadas de lixo e resíduos despejados pelos funcionários, que seriam de responsabilidade do proprietário, como é o caso do papelão. André Rosa explica que o município está pagando, em quilo, um lixo que não é domiciliar. “O problema não se resume a papelão, mas também a ossadas e outros tipos de resíduos que seu destino é de responsabilidade do proprietário do estabelecimento. Ele tem que buscar junto às cooperativas de catadores de resíduos e buscar uma solução pra esse problema”, denota o secretário.
A Secretaria Municipal de Urbanismo (Semmu) já avisou e multou. Porém, André Rosa afirma que fará uma parceria com a Secretaria de Meio Ambiente (Semma), pois os proprietários de estabelecimentos têm que dar destinação final para seus resíduos. “Mas, o que acontece cotidianamente é que as pessoas se aproveitam da fragilidade pública e abusam. Muitos colocam câmaras frigoríficas no meio da rua, sem esquecer dos caminhões que são descarregados durante muito tempo, prejudicando o tráfego de veículos e de pedestres”, reconhece André Rosa.
Mas, a Semurb já concluiu a campanha educativa de comunicar e notificar, uma vez que houve um mapeamento dos pontos críticos. Daí, em parceria com a Semma e DMTT já começarão as autuações, que consiste na suspensão da coleta de resíduos; aplicação de multa (que pode chegar a R$ 15 mil), interdição das atividades e até o fechamento do estabelecimento. No caso dos estabelecimentos da Rua 14 e mais 36 estabelecimentos na cidade, já têm advertência e notificação. Então, o próximo passo será apreensão dos materiais, culminando com o fechamento. (Texto e Fotos: Luís Bezerra)

Deixe uma resposta