Prefeitura de Parauapebas potencializa fruticultura para aumentar renda no campo

Projetos atingem 140 famílias de produtores, que somente em 2019 venderam cerca de 180 toneladas de frutas na região

Produzir mais no mesmo espaço para aumentar a renda é a proposta que a Prefeitura de Parauapebas tem levado a dezenas de agricultores beneficiados por projetos de fruticultura no município. Com isso, a Secretaria de Produção Rural (Sempror) tem impulsionado a produtividade de 140 famílias com a sistematização de áreas para o desenvolvimento de cadeias de valor estratégicas em propriedades rurais.

Em 2019, com o apoio da Prefeitura, o setor de fruticultura conseguiu produzir aproximadamente 180 toneladas de frutas comercializadas na região. As culturas mais comuns são goiaba, cupuaçu, mamão, açaí, acerola, maracujá e banana. Este ano, a implantação de mais projetos vai garantir o avanço do setor nas próximas safras.

O produtor José Macedo é dono de uma pequena propriedade no assentamento Carlos Fonseca e é um dos beneficiados com o projeto de fruticultura da prefeitura. Ele acatou as orientações da equipe técnica que realiza o acompanhamento da área e fez um excelente aproveitamento do seu espaço com o plantio de culturas frutíferas permanentes conciliadas com a olericultura.

“Eu acho muito bom esse apoio da prefeitura que ajudou no meu plantio, e daqui mais uns dois, três anos, isso vai dar um rendimento muito grande porque o mamão, banana e o açaí vão dar direto”, comemora Macedo.

Em um hectare, o agricultor recebeu a sistematização do espaço, com o serviço de mecanização agrícola, adubo e entrega de mudas geneticamente melhoradas – neste caso, o Açaí BRS Pará – a banana e em breve o mamão, além de todo o sistema de irrigação.

Enquanto aguarda o desenvolvimento das espécies plantadas, José Macedo realiza o cultivo de culturas de ciclo curto nas entrelinhas do açaí, como a couve, alface, cheiro verde, quiabo, milho e outras. A expectativa é que quando o açaizeiro se tornar safreiro a propriedade alcance dez toneladas de açaí por ano.

“O produtor tem se dedicado bastante. Com aproveitamento da área, ele se tornou um modelo ao intensificar o cultivo. Enquanto o açaí leva em média três anos para começar a produzir, ele está obtendo renda em curto prazo. E já vemos a melhoria tanto no aspecto econômico quanto no social, pois além de aumentar a renda ele já consegue gerar empregos”, elogia o engenheiro agrônomo da Sempror Diorcélio Ribeiro.

“É interessante os produtores já procurarem a Sempror para se inscrever e solicitar a visita dos técnicos que vão avaliar se a propriedade se encaixa nos pré-requisitos de seleção para serem contemplados por esses projetos”, esclarece o coordenador de fruticultura Rafael Freire.

Texto e fotos: Erika Sarmanho

Deixe um comentário