Profissionais de saúde atravessam córregos e enfrentam longas viagens para aplicar vacinas contra Covid em idosos na zona rural

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
O Tocantins recebeu até agora quase 200 mil doses de vacinas, mas ainda não conseguiu aplicar nem a metade do total. Dois em casa 10 moradores do estado vivem na zona rural.

O Tocantins recebeu, até agora, quase 200 mil doses da vacina contra a Covid-19. No entanto, pouco menos de 95 mil foram aplicadas e nesse processo, ainda muito lento, as equipes de saúde enfrentam, entre outros desafios, a dificuldade de acesso aos pontos onde vivem pessoas que fazem parte do público-alvo nesse primeiro momento: como os idosos que moram na zona rural.

No estado, dois em cada 10 moradores vivem fora das cidades. E em muitas localidades, o trajeto para levar a vacina a quem mais precisa se parece com uma prova de resistência. Os profissionais de saúde precisam antar pelo meio de pastos, atravessar córregos e enfrentar viagens que duram horas por estadas em péssimas condições para fazer a imunização.

Mesmo assim, desistir nem passa pela cabeça dessas equipes cheias de coragem, como conta a técnica de enfermagem Jociane Arruda de Aquino, que trabalha na na zona rural de Filadélfia. “Estamos enfrentando algumas dificuldades, devido ao período chuvoso. Os córregos transbordam, né, mas é gratificante ver a alegria de cada idosos de estar sendo vacinado”.

Para imunizar quem não pode contar com o conforto da vacinação no estilo ‘drive-thru’, as equipes enfrentam todos os tipos de desafios. “Elas moram em lugares de muito difícil acesso. Tem regiões que demoramos até três horas para chegar na residência dos idosos”, conta a coordenadora de imunização de São Valério, Adrielly Casto.

     Profissionais de saúde enfrentam verdadeira maratona para aplicar vacinas no interior — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Morar longe não é desculpa pra não vacinar em Pindorama, sem as duas técnicas responsáveis pela sala de vacinas, a própria secretária de saúde, Sanmya Andrade, que é enfermeira, vestiu o jaleco e partiu pra ação. “É muito gratificante, quando nós chegamos no domicilio deles, ver a felicidade por eles saberem que nós estamos empenhados em levar a vacina até eles”.

Em Aurora do Tocantins, o pessoal da saúde precisou pular a cerca pra não deixar a dona Maria Pereira da Silva sem vacina. Na simplicidade de quem acumula 103 anos de sabedoria, ela resume o sentimento de estar imunizada contra a Covid-19. “Eu tô feliz agora, porque eu sei que agora ela [a doença] não vem não”.

g1.globo.com 

VEJA ISSO TAMBÉM