Servidores da Sempror recebem capacitação técnica e gerencial em piscicultura

Ministrado pelo Senar, curso atualiza equipe sobre novas técnicas de manejo que serão repassadas aos produtores

Até esta sexta-feira, 14, servidores da Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror) participam de um módulo de nivelamento da Capacitação Continuada da Cadeia Produtiva da Piscicultura. O curso, que contém informações técnicas e gerenciais atualizadas sobre o setor, é ministrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e faz parte do conjunto de ações desenvolvidas pela Prefeitura de Parauapebas para consolidar a produção de peixes no município.

“A piscicultura é uma atividade bastante lucrativa e com o manejo correto se torna uma atividade atrativa no mercado. Hoje, a Sempror oferece aos produtores que já atuam no setor assistência técnica especializada, enquanto realizamos um diagnóstico de demanda e um planejamento estratégico para consolidar um modelo produtivo no município”, explica o secretário de Produção Rural, Elson Cardoso.

A Sempror presta orientação técnica aos produtores que atuam na modalidade desde a construção de tanques, aquisição de alevinos, arraçoamento de peixes, monitoramento da água e adubação. Para o técnico agrícola Rubens Freitas, o nivelamento é indispensável para renovar os conhecimentos sobre a atividade e melhorar a qualidade do atendimento ao produtor.

“Esse curso que está sendo ministrado pelo Senar, para alinhamento técnico, é importante para coesão da equipe e também para atualizar as tecnologias que todo o ano precisam ser repassadas para os produtores”, ressalta ele.

O curso tem carga horária de 40 horas e é destinado inicialmente a um grupo limitado de servidores devido às orientações de prevenção à pandemia do novo coronavírus. Mais turmas também receberão outras capacitações a partir do mês de setembro. Segundo o instrutor e engenheiro de Piscicultura do Senar, Éden Soares, o nivelamento “é importante para que o profissional esteja habilitado a chegar em campo e conseguir abordar o produtor explicando quais as melhores técnicas de manejo que ele pode desenvolver na propriedade”.

Entre os temas abordados estão estudos sobre a topografia, planejamento, viabilização de projetos, cultivo de espécies mais adequadas, a nutrição animal, cálculo de povoamento de viveiros, monitoramento da produção e acompanhamento do desenvolvimento do peixe.

Texto: Érika Sarmanho / Foto: Arquivo/Ascom

Deixe um comentário