Servidores e colaboradores da Unifesspa recebem a primeira dose da vacina contra Covid-19

Docentes, técnicos administrativos em educação e colaboradores terceirizados atuantes em todos os campi da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) começaram a ser imunizados contra a COVID-19 neste mês de junho. A vacinação segue o calendário das secretarias municipais de saúde a partir das liberações das doses pelo Ministério da Saúde e pelo Governo do Estado do Pará.

A vacinação começou no dia 10 de junho, com a liberação das doses no município de Marabá. Santana do Araguaia, São Félix do Xingu, Xinguara e Rondon do Pará começaram a vacinar os profissionais da educação superior nos dias 12, 14, 18 e 21 de junho, respectivamente.

Vacinação reitorPara o reitor da Unifesspa, Francisco Ribeiro, “é fundamental que toda a comunidade universitária seja imunizada. Somente desta forma podemos pensar em retomar as nossas atividades normais presencialmente com segurança”, ressalta.

“Essa vacina é a salvação nacional. Estamos desde março sem fazer nossas aulas presenciais, congressos e festas. Todo mundo cobra as aulas de maneira presencial mas a gente vê a situação em que está o país está em relação à COVID-19 e vê que não é possível retomar ainda”. É o que afirma o docente Carlos Maviael, diretor do Instituto de Engenharia do Araguaia (IEA), em Santana do Araguaia.

Ainda segundo o diretor, as medidas de distanciamento tomadas pelo IEA e por toda a Unifesspa, desde início da pandemia, fizeram com que os casos dessa doença na instituição fossem mínimos. “O IEA está praticamente fechada desde março. Precisamos mostrar a importância dessa vacinação para nossa comunidade, e nós professores tivemos o prazer de descrever que não podemos perder a oportunidade e fazer questão de ir tomar a vacina para dar exemplo a comunidade”, relata.Vacinação Maviael

“A vacinação fora de sede é fundamental e urgente” é o que afirma Nayara Camargo, docente e diretora adjunta do Instituto de Estudos do Xingu (IEX). “Percebemos que as cidades menores não têm suporte de complexidade em relação ao atendimento à saúde, é o caso de São Félix do Xingu. Então, quanto mais prevenirmos, melhor. O fato de a vacinação contemplar tanto docentes quanto técnicos e terceirizados nos possibilita maior segurança diante dessa falta de suporte na saúde. Mesmo que tem, por exemplo, plano de saúde, depende da assistência pública porque no município não há clínicas que aceitem convênios. Então, todos dependemos mesmo do SUS. Só com a vacinação teremos tranquilidade para trabalhar, para retomar nossas atividades dentro do campus. Agora, aguardamos a vacinação dos alunos que precisam fundamentalmente, muitos deles, moram na zona rural e necessitam com maior urgência do atendiment e da imunização”, explica a docente.

Maclem Erane, técnico administrativo em educação, lotado na Pró-Reitoria de Extensão e Assistência Estudantil (Proex), em Marabá, também recebeu a primeira dose. “Foi um passo importante para nós, como servidores, porque estamos em isolamento. Não poder sair de casa e não poder acessar o nosso trabalho é difícil. Enquanto cidadão, fico esperançoso porque, quando chega a nossa vez, a nossa faixa etária, começamos a acreditar que a médio prazo, pelo menos, poderemos reverter a situação da pandemia. Não conseguiremos reverter as mortes, mas podemos esperar que as coisas voltem ao normal e que nosso país volte a ter saúde”, relata o servidor.

Vacinação Sheila DSQV 2A titular da Diretoria de Saúde e Qualidade de Vida (DSQV), Sheila Freire, destaca a importância da vacinação como única forma de conter a pandemia. “Estamos muito felizes com o início do processo de imunização dos nossos servidores e colaboradores terceirizados. A vacinação é de suma importância para garantir um retorno seguro às nossas atividades presenciais, com saúde e tranquilidade. A vacina é a principal dose de esperança nesse tempo tão desafiador”, afirma.

Segundo as orientações dos fabricantes das vacinas, a imunização somente estará completa com a aplicação das duas doses das vacinas. A exceção é o imunizante da Janssen, de apenas uma dose. Além disso, manter as medidas de prevenção é fundamental para impedir o surgimento de novas variantes e conter a circulação local do vírus. “Muitos trabalhadores da Unifesspa já se vacinaram e esperamos que todos façam sua parte, comparecendo aos locais de vacinação nos prazos estabelecidos para primeiras e segundas doses. O início da vacinação nos traz um alento, mas é importante destacar que os cuidados devem continuar até que tenhamos a imunização garantida a todas as pessoas. É preciso que todos continuem seguindo os protocolos de higiene e distanciamento social”, conclui Freire.

 

Deixe um comentário